Vitiligo

vitiligo

O vitiligo é uma doença de pele que causa manchas brancas em qualquer parte do corpo, incluindo os cabelos, de tamanho variável, devido à perda da coloração da pele. Não é uma doença perigosa ou contagiosa compromete cerca de 2% da população e causa grande estresse e baixa autoestima nos seus portadores. As manchas não coçam, não ardem ou doem, mas podem crescer muito e tornarem-se definitivas. O vitiligo compromete pessoas em todas as idades, mas é mais frequente nas pessoas jovens.

 

As lesões formam-se devido à diminuição ou à ausência de melanócitos (células responsáveis pela formação da melanina, pigmento que dá cor à pele) nos locais afetados.

 

Veja também:

 

As causas da doença ainda não estão claramente estabelecidas, mas fenômenos autoimunes parecem estar associados ao vitiligo, além de fatores genéticos, emocionais e hormonais que também parecem estar relacionados ao surgimento ou à piora do vitiligo.

O que é uma doença autoimune?

 

Uma doença autoimune é uma condição onde existe a produção de auto anticorpos contra determinadas células, e, no caso do vitiligo, estes anticorpos agem contra as células que produzem o pigmento (chamada de melanócitos) levando ao aparecimento das manchas esbranquiçadas na pele.

E quanto ao tratamento do vitiligo?

 

Atualmente, existem resultados excelentes nos tratamentos do vitiligo, o fato de não se poder falar em cura, não quer dizer que não haja várias opções terapêuticas.

 

O tratamento do vitiligo visa cessar o aumento das lesões (estabilização do quadro) e também a repigmentação da pele. Existem medicamentos que induzem à repigmentação das regiões afetadas como tacrolimus derivados de vitamina D e corticosteroides.

 

A fototerapia com radiação ultravioleta B banda estreita (UVB-nb) é indicada para quase todas as formas de vitiligo, com resultados excelentes, principalmente para lesões da face e tronco. Pode ser usada também a fototerapia com ultravioleta A (PUVA). Também se podem empregar tecnologias como o laser, bem como técnicas cirúrgicas ou de transplante de melanócitos. Algumas novas medicações estão em fase de pesquisas e/ou estudos e devem surgir lançamentos em médio prazo.

 

O tratamento do vitiligo é individualizado e deve ser discutido com um dermatologista, conforme as características de cada paciente. Os resultados podem variar consideravelmente entre uma pessoa e outra.  Por isso, somente um profissional qualificado pode indicar a melhor opção. É importante lembrar que a doença pode ter um excelente controle com a terapêutica adequada e repigmentação completa, sem nenhuma diferenciação de cor.

 

O tratamento precoce garante melhor resultado. Quanto menores as manchas também melhores resultados.

WhatsApp chat